Brasil vota mais uma vez contra Israel na UNESCO

Brasil vota mais uma vez contra Israel na UNESCO; Argentina e México se abstêm

Enquanto Israel comemorava o 69º aniversário de sua independência, os 58 membros da Unesco – Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura – se reuniram para aprovar novo texto contestando a soberania israelense sobre Jerusalém. O Brasil, mais uma vez, votou a favor da resolução. Foram 22 votos a favor, 23 abstenções, 10 contra, e três países se ausentaram.

"Votar contra uma nação em seu Dia da Independência, em uma tentativa desprezível de falsificar a história, é um novo fundo do poço, até mesmo pelos padrões da UNESCO", disse Shama-Hacohen, embaixador de Israel na entidade.

"Israel perdeu a votação hoje, mas obteve uma vitória moral ao ganhar mais votos do que nunca, inclusive de grandes democracias como EUA, Grã-Bretanha, Alemanha, Itália e Holanda", disse Hillel Neuer, diretor executivo da UN Watch. Também votaram contra Paraguai, Grécia, Ucrânia, Lituânia e Togo. Argentina, México, França, Espanha, Japão e Coreia do Sul se abstiveram.

"Os palestinos estão sofrendo uma hemorragia no apoio à sua resolução ritual anti-Israel na UNESCO: em abril de 2016, eles tinham 33 votos a favor, em outubro eram 24, e hoje, 22. O número de votos contra aumentou substancialmente de 6 para 10", dissel Neuer,

"E mais uma vez, a Índia - um amigo e aliado cada vez mais importante de Israel - se absteve, mostrando que sua virada após décadas de votação sem rodeios com os países árabes virou uma política fixa, acrescentou.

Resolução sobre Jerusalém

Duas resoluções desta terça-feira (2) em Paris acusam os militares de Israel de abusos, mas não mencionam os foguetes disparados pelo Hamas contra cidades israelenses ou ataques terroristas palestinos contra judeus israelenses.

A resolução sobre Jerusalém, apesar de uma menção passageira à importância da cidade para as "três religiões monoteístas", ignora os laços religiosos e históricos judaicos e cristãos com a cidade, condenando Israel por escavações que revelaram a antiga cidade de David, juntamente com inscrições de cerâmica, moedas e artefatos ligados à vida judaica durante e antes do tempo de Jesus.

"Mais uma vez, a UNESCO está sendo sequestrada por regimes genocidas e por abusadores de direitos humanos como o Sudão, Irã, Argélia, Catar e Rússia", disse Neuer.

"As medidas unilaterais e políticas só desviam a UNESCO de suas obrigações de ajudar a educar as crianças carentes na África, na Ásia e em outros lugares", completou.

Resolução sobre a educação palestina omite o incitamento ao terrorismo e ao antissemitismo

A UN Watch notou que a resolução sobre a educação e escolas palestinas não menciona a grosseira violação dos valores das Nações Unidas pelos professores da UNRWA, que incitam ao antissemitismo e ao terrorismo.

Relatórios recentes da ONU Watch, incluindo um apresentado no Congresso dos EUA em fevereiro e no Parlamento canadense em março, expuseram mais de 100 páginas do Facebook operadas pelas escolas da UNRWA, professores, diretores e outros funcionários da UNRWA, que incitam ao terrorismo ou ao antissemitismo.

Carta à Comunidade

Poucos dias após liderar mais um evento comunitário inédito em Porto Alegre - o Sirenaço de Iom Hashoá no Bom Fim, em memória às vítimas do Holocausto - e de prestar seu apoio ao evento comunitário com a mesma finalidade organizado pela Federação Israelita do Rio Grande do Sul, a SIBRA vem a público manifestar seu posicionamento a respeito da comemoração comunitária organizada neste ano para o Dia da Recordação dos Mártires (Iom Hazikaron) e do Dia da Independência do Estado de Israel (Iom Haatzmaut).

A SIBRA sempre apoiou projetos para o fortalecimento da relação entre Israel e a Diáspora e tem, na sua grade de atividades, programas que permitem viver a identificação com o Estado de Israel e sua cultura. Entendemos a existência do jovem Estado de Israel como ponto de partida e de chegada para o judaísmo. O feito comemorado no Dia da Independência do Estado de Israel não é menos importante do que o milagre de Purim ou o milagre de Chánuka, sendo, inclusive, muito mais palpável, concreto e garantidor de nosso futuro como povo no momento atual.

A SIBRA é uma instituição que entende o judaísmo a partir de uma origem ancestral, aplicada e compreendida de acordo com a realidade atual e os desafios atuais. Buscamos trabalhar pela pluralidade e o equilíbrio na comunidade judaica. Com esse espírito sediamos e lideramos a Festa de Purim comunitária neste ano e sempre demonstramos disposição para pensar no coletivo. Sabemos reconhecer parceiros e amigos até mesmo na ortodoxia, mas não apoiamos instituições que não nos desejam reconhecer ou respeitar nosso trabalho.
Temos uma responsabilidade institucional de representar diversas famílias judaicas, as mais tradicionais e as não tão tradicionais, e zelamos por justiça, respeito, inclusão e valorização da mulher, da diversidade, das nossas crianças e jovens e a prática da ações que fazem a diferença para um mundo e uma sociedade melhores.

Acreditamos serem primordiais os valores de ética e de respeito por todos os matizes da comunidade. Entendemos ser fundamental para nossa sobrevivência o sentimento de pertencimento e a representação do mais amplo leque de identificações que nos caracterizam como comunidade judaica.

Continuaremos nosso trabalho pelo fortalecimento comunitário com a máxima energia apoiando e recebendo apoio do maior número de parceiros possível. Rejeitamos o extremismo em todas as suas formas, e somos parceiros inabaláveis da realidade e da moderação que são capazes de inspirar a todos e ao futuro de Israel. Neste ano, a SIBRA prestará em momento independente, sua homenagem aos veteranos, soldados mortos em combate por Israel e vítimas do terrorismo e, com muita alegria, comemorará em comunidade o 69o aniversário do Estado de Israel. 

Diretoria da SIBRA

A banda gaúcha Os Eles faz show beneficente

Ontem, 27/4, pela noite Os Eles fizeram um show beneficente em prol da Marcha para Todos 2018, também conhecida como Marcha pela Vida. Esta conhecida banda gaúcha voltou aos palcos para recriar os sucessos dos anos 80 e praticar a Tzedaká. O pub estava lotado de pais, familiares e amigos dos alunos do Colégio Israelita que irão para a Marcha no próximo ano. Parabéns à comissão organizadora e um parabéns especial para os integrantes de Os Eles, em especial os nossos associados da SIBRA, Dannie Dubin e Leandro Branchtein.

Confira uma prévia de como foi o show pelo

link: https://www.facebook.com/guershonk/videos/pcb.1367413703346009/1367413283346051/?type=3&theater

Os Eles 2

Os Eles 1